O Guia da Casa Leve

Como se desfazer daquilo que não precisa mais

Dezembro, por si só, é um mês que inspira tradições. É a hora de juntar a família e os amigos, agradecer pelo ano que passou e se preparar para o que está por vir. Mas desde pequena, minha mãe criou outra tradição em nossa família, e dezembro também era o mês de rever todas as nossas coisas, separar aquelas que não precisaríamos mais para doar para aqueles mais necessitados.

Confesso que quando criança essa não era uma das minhas tradições preferidas, mas hoje em dia, morando sozinha e dona do meu próprio nariz, vou falar pra vocês: santa mãezinha tinha toda razão. Apesar do trauma que foi me desfazer de algumas coisas na infância, um ano inteiro é muito tempo, e quando se pára para pensar em todas as coisas que acumulamos no decorrer desses 365 dias, muita coisa pode ser passada a diante, e esta é uma atitude que só traz benefícios. Uma coisa que eu percebia, sempre depois que tudo já havia sido separado e as coisas a serem mantidas voltavam para seus locais de origem, é que a casa ficava muito mais leve, muito mais clara e com o ar revigorado, como se tivéssemos nos livrado de um excesso de peso que a pobrezinha carregava e agora ela transparecia gratidão.

como-se-desfazer-das-suas-roupas

Cena do filme Sex and the City

Em parte, sempre foi difícil para mim me desapegar das coisas porque eu associo sentimentos aos objetos, como se eles tivessem vida, como se eles partilhassem da minha história e se ressentissem de serem jogados fora. Eu ainda vejo dessa maneira, admito (risos). Mas posso lhes garantir que o critério que usamos para o descarte pode facilitar (E MUITO) esse processo!

Minha mãe sempre usou o princípio do “não uso”: se não usa mais, joga fora. Seja lá o que fosse, se passasse tempo demais guardado sem uso, ia pro lixo. Não digo que ela esteja errada, muito pelo contrário, qualquer coisa que mantemos por uma funcionalidade que não se aplica, torna-se naturalmente desnecessária. Mas, ao longo da minha carreira como designer de interiores, o interesse pelo tema organização desenvolveu-se, assim como os métodos necessários para que nossas casas permanecessem arrumadas.

Eu sempre tive claro na minha cabeça que ninguém é desorganizado porque quer, ou que o faça por prazer.  Os motivos para que isso aconteça são muitos, mas a forma de erradicar esse mal de nossas vidas é apenas um: ter apenas o essencial. Passamos todos os dias na correria e acumulamos coisas sem nem perceber. Algumas com razão, outras nem tanto, e existe ainda uma terceira leva de objetos que se justificam no início, mas que perdem o objetivo conforme os anos passam, como se tivessem prazo de validade. Por esse mesmo motivo é que o movimento de triagem esporádico de nossos pertences é de suma importância.

Recentemente, passeando pela livraria, lancei mão do livro “A Mágica da Arrumação” de Marie Kondo. Especialista em organização e viciada no assunto desde os cinco anos de idade, a autora propõe um critério bem diferente na hora de se desfazer dos objetos: questionar se cada um deles te traz felicidade.

marie-kondo-a-arte-da-arrumacao

Livro “A Arte da Arrumação” de Marie Kondo

Ok, parece um pouco estranho, eu sei. Mas calma que você vai ver que faz todo o sentido!
Tudo o que fazemos na vida, as pessoas com as quais nos relacionamos, o que adquirimos, a profissão que escolhemos… TUDO! Inclusive as coisas que compramos, o fazemos visando nossa felicidade. Então porquê não aplicar o mesmo princípio no momento em que nos desfazemos delas também? Tenho certeza que viver em um lar rodeados apenas daquilo que nos inspira felicidade é quase como sonhar acordado!

Então, ao invés de sair contando no calendário quando foi a última vez que você usou aquela blusinha, ou quanto tempo faz que você não mexe naquele objeto “x”, pegue cada uma das coisas em suas mãos e se pergunte “isso me deixa feliz?”. Se a resposta for “sim”, guarde-o com carinho. E se, ao perceber que aquilo não lhe traz felicidade mas não consegue se desapegar, pense no real propósito daquele item na sua vida e perceba se ela já não cumpriu sua função em sua vida.

Marie orienta a reservar um dia para esse processo de desapego, tirar tudo de dentro dos armários, das estantes e espelhar pelo chão. Assim você garante que não esqueceu de nada e também consegue ter uma visão precisa da quantidade de coisas que você possui. E acredite, possivelmente você vai se assustar com o volume.

Outra orientação da profissional é fazer essa triagem por categorias:

  • Roupas (também inclui bolsas, sapatos e acessórios);
  • Livros;
  • Papeladas num geral (material de estudo, comprovantes, garantias de produtos, documentos, etc);
  • Itens variados;
  • E por fim, objetos de valor sentimental.

 Essa ordem segue o propósito de começar pelos itens de menos importância para aprimorar nossa capacidade de desapego conforme avançamos para objetos de maior dificuldade, como fotos, cartas e outras recordações.

Ok, mas o que exatamente seriam itens variados?
Com um significado tão vago e abrangente, fica realmente difícil entender do que se trata, mas basicamente falando são coisas sem importância que acumulamos por nenhum motivo específico. Aqui vai uma listagem desses itens, em que Marie orienta o descarte na seguinte ordem:

  1. CDs e DVDs;
  2. Produtos de beleza para a pele;
  3. Maquiagem;
  4. Documentos;
  5. Equipamentos eletroeletrônicos (câmeras digitais, equipamentos com defeito, cabos, caixas, etc);
  6. Utilidades da casa (artigos de papelaria, kits de costura, etc);
  7. Provisões da casa (descartáveis, remédios);
  8. Utensílios de cozinha;
  9. Outros (moedas, grampos, brindes, botões soltos e outras miudezas).

Viver em um ambiente livre de supérfluos, organizado e limpo é um benefício pra alma.

Então que tal não reservar um tempinho para fazer essa mudança na sua vida também? 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s